-->

Leia antes de iniciar a a leitura no Orquídeas Sem Mistério!

Tutorial do Blog Orquídeas Sem Mistério.

Olá Pessoal!! Estou agora atualizando o Tutorial deste blog, uma vez que ocorreram algumas mudanças em sua funcionalidade tornando o mais pr...

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Pré cultivo de orquídeas - é hora de transferir as pequenas mudas de orquídeas!

Olá pessoal! Venho agora para dar continuidade a um assunto que começou com a possibilidade de fazer semeios caseiros de orquídeas e parou nos vídeos mostrando os processos de semeio e recultivo, desenvolvidos na Universidade Federal de Viçosa. Pois bem pessoal a gente semeou, os frascos cresceram e chegou a hora de tirar as mudas deles.  E AGORA?!





Pois então eu diria essa sem sombra de dúvidas, para plantas que vieram do cultivo in vitro é a fase mais crítica, entretanto não significa dizer que é extremamente complicada, na verdade é relativamente simples devendo apenas levar alguns fatores em consideração para o sucesso da prática. Para facilitar o entendimento do assunto vamos chamar essa fase, pós vitro de PRÉ CULTIVO. Pré cultivo, porque essa fase possui duas características básicas que a diferencia do cultivo de plantas maiores que é a temida fase de aclimatização, que consiste na fase logo após retirada dos frascos e plantada no coletivo, em que a planta sai do bem bom que ela estava com nutrientes, água, luz a vontade tudo bem controlado e passa para um ambiente externo com umidade mais baixa, ventilação e outros e ela por ainda não está com seu corpo preparado para o mundo externo sofre um bom estresse que se não devidamente controlado pode matar a planta; e a fase de crescimento, que é mais tranqüila e se assemelha ao cultivo de plantas maiores.
No pré cultivo as plantas são geralmente cultivadas nos chamados COLETIVOS, que nada mais é que vasos, bandejas, ripas ou casca de árvores onde são plantadas diversas mudas juntas com fim de economia de espaço, já que as plantas geralmente saem dos frascos pequenas com aproximadamente 1"(3cm).
Segue agora fotos de alguns exemplos de coletivos:

Coletivos em bandejas de muda de hortaliças.

coletivo em vaso plástico 

coletivo em vaso de barro, vaso plástico e bandeja(os testes com espuma fenólica foram negativo: Não usem!)

coletivos em ripas de madeira (Maçaranduba )

Coletivos em ripa de Maçaranduba

Como a fase de aclimatização do pré cultivo é a fase mais crítica devido ao velame da raíz da planta não está devidamente desenvolvido e as folhas estarem praticamente sem cutícula protetora a desidratação das mudas se torna o maior problema do processo, portanto para contornar esse problema o ambiente adequado para o pré cultivo deve ser sempre mais sombreado possível, de preferência um sombreamento acima de 75% sendo 80 a 85% bem adequado para esta fase. Outro ponto importante é a questão de proteção contra chuva, que é fundamental, pois como geralmente se utiliza um substrato com uma maior retenção de umidade e as mudas são mais delicadas o risco de podridões é maior devido a encharcamento, portanto proteção contra chuva é fundamental. Outra questão é a umidade ambiente que deve ser alta sempre, sempre escolhendo ambientes úmidos para fazer o pré cultivo. Em geral,  dentro do próprio orquidário se pode montar um micro ambiente para os coletivos, muitas vezes colocando mais sombrite na parte onde irá colocar os coletivos ou mesmo improvisando outros ambientes ao lado do orquidário ou mesmo outros locais. O importante independente se é improvisado ou não é que o ambiente seja BEM  SOMBREADO, ventilado sem excesso, bem úmido e protegido da chuva. Segue aqui foto de ambiente improvisado do lado do orquidário:

Ambiente improvisado ao lado do Orquidário

Ambiente improvisado ao lado do orquidário
Ambiente melhor com bancada autônoma com capacidade de colocar e remover sombrite e plástico agrícola conforme a necessidade.

Ambiente melhor com bancada autônoma com capacidade de colocar e remover sombrite e plástico agrícola conforme a necessidade.


Foto agora de um ambiente dentro do orquidário em orquidário comercial:

Ambiente em orquidário comercial.
Outra coisa importante para fazer o pré cultivo é em relação a substrato, existem uma diversidade de substratos, entretanto o mais interessante é o uso de um material que seja bem maleável e fácil de trabalhar e fixar a planta, tenha uma boa retenção de umidade e dure tempo suficiente para passar esse processo do pré cultivo. Em geral o Sfagnum é o substrato mais utilizado, por atender bem a essas exigências, embora se use outros também como brita (pouco usado e difícil de trabalhar) manta de acrilon (pouco usado, mas com bom potencial ), mix de substratos (bem utilizado, mas seca rápido), Espuma fenólica (pouco usado ou sem uso, mas parece ter bom potencial, estou testando).

segue fotos agora mostrando algumas possibilidades de substratos a serem utilizando, sendo o sfagnum o melhor e mais usado:


coletivos com sfagnum, espuma fenólica e substrato misto (pinus, carvão, sfagnum )(TESTE COM ESPUMA FENÓLICA FOI NEGATIVO. NÃO USEM!)

exemplos de substratos (espuma fenólica e sfagnum ) e vasos de coletivos com dreno de caco de tijolo (TESTE COM ESPUMA FENÓLICA FOI NEGATIVO. NÃO USEM!)

 Coletivo com sfagnum e manta de acrilon (Manta de acrilon foi eficiente apenas com Dendrobium antenatum)

coletivo com manta de acrilon e sfagnum (Manta de acrilon foi eficiente apenas com Dendrobium antenatum)
Coletivos em Sfagnum
Coletivos em sfagnum 
Coletivos em Sfagnum
Coletivos em Sfagnum
Toquinhos de Sansão do campo com um pouco de Sfagnum
Toquinhos de Sansão do campo e coletivos em Sfagnum

coletivo com  substrato misto e sfagnum








Já vimos os vários tipos de coletivos, as fases do pré cultivo, o ambiente de cultivo e o substrato, vamos agora qual tipo de coletivo devemos escolher. O tipo de coletivo a escolher é muito relativo, depende da quantidade de mudas que terá para cultivar, do espaço e do tamanho das mudas. Geralmente como dentro de um frasco as mudas variam muito de tamanho é interessante fazer uma pré seleção e então diferenciar por tamanho as mudas afim de facilitar o plantio. Em geral, as mudas maiores são mais interessantes para plantar em bandejas, pela maior facilidade, já as de tamanho mediano a grande são bem interessantes para o plantio em vasos coletivos e as menores e mais delicadas se dão muito bem no sistema de ripas, cascas de árvores ou toquinhos, como os de café com sfagnum facilitando a sobrevivência dessas menores mudas, entretanto nada impede que todas as mudas possam ser plantadas nos outros tipos de coletivos, isso vai depender do que a pessoa tem disponível ou prefere utilizar também, não existe uma regra unanime quanto a isso, inclusive o improviso funciona muito bem neste campo do pré cultivo também.

Depois de toda essa conversa vamos ao plantio e os devidos cuidados com esses coletivos. 

Para o plantio o procedimento costuma ser bem simples, entretanto não existe um procedimento totalmente padrão para isso e cada cultivador tem sua maneira de fazer o processo, uns deixam as plantas depois de limpas um tempo de molho em água com algum adubo, hormônio enraizador ou fungicidas, inseticidas e assim vai, ou outros deixam depois de limpas em papel ou algodão umedecido por uma noite para estimular o desenvolvimento do velame, enfim todas essas técnicas são boas e podem ser aplicadas sem problemas, ai vai do gosto de cada um e do que a pessoa pode fazer no momento. Entretanto, o processo todo consiste basicamente de remover as plantas do frascos, remover todo o meio de cultura que possa estar grudado nas raízes da planta, lembrando que TODO  meio de cultura deve ser removido, pois se sobrar algo ele pode fermentar por ação de microrganismos e prejudicar, até matar a planta. Para isso geralmente se coloca as mudas em uma peneira  e as coloca em água corrente e forte para desgrudar o meio de cultura. Feito essa lavagem então pode-se proceder um dos procedimentos dito a cima, aqui para o exemplo no blog eu coloquei as de molho em água, contendo uma solução com um adubo bem diluído, bem pouco mesmo e silício (Protect Bugram ) deixei por um tempo. o Silício pode ser interessante, pois ele é um nutriente que favorece a formação da cutícula cerosa da folha o que acarreta em uma planta mais tolerante ao excesso de transpiração e a desidratação, fora que a  torna mais tolerante a entrada de doenças e pragas. já a adubação diluída seria para fornecer nutrientes a jovem planta que passará pelo estresse da aclimatização na tentativa de torna-la mais forte de forma mais rápida fazendo com que esse processo seja o menos traumático possível. Feito isso tudo então é só proceder o plantio e levar para o ambiente.
Depois disso os cuidados com os coletivos são muito semelhantes ao das plantas maiores, sendo que a rega deve ser feita sempre que estiver seco o substrato, sem deixar secar demais, independente do tempo que leve e tomar cuidado para não encharcar demais as mudas. A adubação também é semelhante sendo sempre completa e balanceada e no caso das mudas é mais interessante nessa fase utilizar adubos mais ricos em nitrogênio para promover um crescimento melhor das mudas, entretanto tomar cuidado com os excessos sempre, lembrando que são plantas muito pequenas ainda e o adubo deve ser bem mais diluído, do que seria para plantas adultas. O controle de pragas e doenças é semelhante ao que se faz com plantas maiores.
Passada essa fase de aclimatização, que em geral leva uns 3 meses e percebendo um crescimento mais acentuado das plantas aos poucos já pode ir aumentando a quantidade de luz delas, até chegar a luminosidade adequada para cada espécie em cultivo e após 1 a 1 ano e meio de pré cultivo em coletivos elas estarão com mais de 2" prontas para irem para o vaso individual pequeno e daí em diante o cultivo é o cultivo tradicional de orquídeas.
Segue agora fotos da etapa de remoção do frasco, limpeza, molho e plantio.:

materiais (espuma fenólica não passou nos testes!)

silício(Ajuda, mas não é tão necessário assim)

misturando silício e um pouco de adubo(Ajuda, mas não é tão necessário assim)

 frasco a ser replantado

lavagem das mudas

Lavagem das mudas

 mudas de molho na solução

mudas plantadas(Resultado negativo da espuma fenólica, não usem!)

mudas plantadas e identificadas.

E é isso Gente! Espero que tenha ajudado vocês e como sempre, precisando de dicas, tendo dúvidas, sugestões ou críticas ou querendo bater papo sobre orquídeas e outras plantas é só deixar um comentário ou entrar em contato por algumas das opções existentes neste blog.

Até a próxima pessoal!!!


















30 comentários:

  1. Parabéns por mais uma ótima postagem. Estava precisando de mais detalhes sobre esse tema.

    ResponderExcluir
  2. Pessoal, conforme falei nesta postagem: A espuma fenólica ainda está em teste, portanto não recomendo seu uso até que se tenha um resultado conclusivo, a menos que também queiram testar este material ou já tenham experiencias satisfatória com o mesmo. Abraços a todos!!

    ResponderExcluir
  3. Ola. Acompanho sempre suas materias no blog...sao sempre muito instrutivas. Estou planejando construir um pequeno orquidario na zona da mata em MG, vc teria como me indicar um fornecedor de plastico, sombriteonde eu possa comprar on-line ou por telefone? Obrigada. Um abraco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Qual região da Zona da Mata você está? Em Viçosa existe a Casa da Lavoura que deve ter lojas em outros locais também e a Irrizon são ótimas lojas para se comprar plástico e sombrite. Procure por essas lojas, creio que eles entregem em boa parte da região da zona da mata. Abração Geralda!

      Excluir
  4. Adorei essas informações, estou doida para aprender a fazer mudas de minhas orquídeas, seu blog é maravilhoso.
    Confesso q achei meio confuso pois é muita informação então amanhã vou ler novamente e aí devo entender melhor. O sono também está atrapalhando meu entendimento neste momento rs.
    Vou virar sua seguidora! Estou começando meu cultivo de orquídeas então estou louca por informações e sei que aqui posso encontrar muitas.
    Estou tendo um probleminha com minhas orquídeas agora que desconfio q seja um fungo, se puder dar uma passadinha no meu blog para dar uma olhada, ficarei muito agradecida.
    Parabéns pelo seu ótimo trabalho!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! e bem vinda ao Blog já visualizei seu comentário sobre os problemas e respondi na outra postagem! Abraços May!

      Excluir
  5. Olá Andrew,
    Ontem ganhei um vidro com inúmeras mudinhas de orquídeas e comecei a pesquisar o mode plantio. O seu passo a passo vai me ajudar. Até quanto tempo posso ficar com as nudas no vidros?
    Att. Neusa
    Rondônia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Neusa! se ainda tiver espaço para elas crescerem no frasco e bastante meio de cultura e não contaminar neste meio tempo elas podem ficar bastante tempo ainda, mas se contaminar ou o meio estiver bem esgotado ai tem que fazer a retirada logo para não correr risco de estragar as mudas.
      Bom espero ter ajudado, mas tendo mais dúvidas é só entrar em contato a qualquer hora. No mais tenha uma ótima semana e até a próxima!

      Excluir
  6. Boa noite
    Estou curioso sobre adubação, pois há uns 25 ou 30 anos, era comum encontrar adubos importados (Dyna Groo e outros), com valores baixos, ex. 5,8,5 e com mais P, para floração. Hoje é comum, fazer referência a 20,20,20 e outros com P 45. O que mudou desde aquela época?
    Peter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Peter na verdade hoje em dia se existem muito mais pesquisas em relação a nutrição de Orquídeas, mas ainda vivemos muito na era do achismo e o que ocorre é que estes adubos 20 20 20 e fórmulas de floração ficaram muito populares e práticas por serem extremamente solúveis, o que facilita muito o manuseio, elas possuirem alguns micronutrientes que também ajudam muito, mas o que ocorre é que a dosagem que geralmente é recomendada para esses adubos é muito alta gerando um excesso de nitrogênio nas plantas que a torna mais flácida e mais sensível ao ataque de pragas e doenças, fora a questão que muitas vezes o cálcio é um elemento esquecido por muitos e não contem nessas fórmulas tradicionais por motivos que ele precipita com o fósforo. O mais interessante em termos do NPK seria fazer dosagens que no final das contas a porcentagem do N fosse semelhante ao das formulações menos concentradas. Hoje em dia também existem adubos mais elaborados para Orquídeas com fórmulas NPK menos concentradas, mas com um pouco mais de P e principalmente o Calcio e Magnésio e os micronutrientes fundamenais fora o S. Hoje em dia isso é possível pq eesses adubos são quelatizados então formam suspensão com particulas ultrafinas que não entopem os pulverizadores e o resultado é muito bom. Eu particularmente gosto mais desse tipo de produto e uso atualmente o BeG orquídeas que foi desenvolvido na Universidade Federal de Viçosa e foi um produto intensamente pesquisado que já teve muito problemas para dissolver, mas hoje já resolveram bem isso e está bem prático para aplicar. Dê uma pesquisada sobre este e outros adubos de fato formulado para Orquídeas com Macro e Micro nutrientes que é um estudo interessante. Essa fórmula do BeG foi uma fórmula bem testada e foi ajustada de acordo com a necessidade nutricional dos principais gêneros cultivados.
      Bom espero ter te ajudado, mas tendo mais dúvidas sobre o assunto é só perguntar. No mais tenha uma ótima semana Peter e até a próxima!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Muito obrigado pelo post, Andrew. Gostaria de saber mais sobre a quantidade do b&g na fase de aclimatação e nos vasinhos individuais. É necessário reduzir a dosagem em comparação com as plantas adultas? Até quando? Obrigado e Abração!

      Excluir
    4. Olá Rafael! Então, como agora se usa o BeG Líquido para facilitar você pode usar a mesma diluição recomendada para plantas adultas(5m/L), mas no momento da aplicação você apenas dá um jato rápido com o pulverizador sendo praticamente um jato bem rápido nos coletivos e no individual você já pode passar um jato ligeiramente mais demorado e conforme for crescendo você pode demorar mais com o jato na pulverização, assim você controla de forma mais fácil a quantidade de adubo que irá para as plantas.

      Excluir
  7. Olá Peter iniciei a pouco tempo o cultivo de orquideas, inclusive já estou tentando uma germinação in vitro, tudo acompanhando as informações contidas no seu blog. Fico muito contente que existam pessoas como vc que disseminam conhecimento. Parabéns pela sua iniciativa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Arthur! Obrigado! Precisando é só entrar em contato que terei o prazer de ajudar. No mais tenha um excelente dia e até a próxima!

      Excluir
  8. Oi Andrew, bom dia. Aonde eu compro o musgo sfagnum aqui no rio de janeiro?
    Abraços e obrigada!
    Sonia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sonia! Você pode comprar no Orquidário Santa Clara. o site é: www.orquidariosantaclara.com.br

      Abraçoss!

      Excluir
  9. Prezado Dr. Andrew, boa noite, me chamo Luciano, sou de Salvador e vez por outra preciso de suas dicas e seus esclarecimentos.
    Aconteceu de umas brasavolas terem cruzado e o que acontece surgiram aqueles " ovos semelhantes a pseudo bulbos", que estão lotados de sementes por dentro, e ai a questão, como eu faço para eles nascerem novas brassavolas?
    Aguardo uma orientação e muito obrigado pela atenção de sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luciano. Na verdade esses "ovos" são as cápsulas, que é o tipo de fruto que a orquídea produz após a flor ser polinizada. Para proceder a semeadura sugiro você a ler aqui no blog todas as postagens referente a semeadura de orquídea e assistir aos vídeos e assim que forem surgindo as dúvidas aí vir me perguntando. As 4 postagens você encontra no menu principal do blog em dicas de cultivo e depois cultivo avançado e então vá em semeadura de orquidea e veja as 4 postagens em ordem para um entendimento melhor do assunto. Os links para os vídeos se situam na última postagem do assunto.

      Bom, espero ter ajudado, mas tendo outras dúvidas é só perguntar. Forte abraço e boa sorte com o semeio!

      Excluir
  10. Apos lavar as mudinhas vc deixo as raizes velar ou colocou diretamente na solução com adubo? obrigado Ass Liane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nesse caso botei direto nessa solucão bem fraquinha, mas você pode enrolar elas em um papel umidecido com a solução e deixar por um tempo. Não existe um padrão, geralmente cada um tem uma maneira de fazer esse preparo.
      Espero ter te ajudado, mas tendo mais dúvidas é só entrar em contato novamente. Abraços e até a próxima!

      Excluir
  11. Andrew, qual foi o período total desde o semeio das sementes até o pré cultivo?
    Abraços,
    Antonio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá ANtonio! Olha, no caso das Cattleyas o tempo leva em torno de 1 ano a 14 meses e o Dendrobium antenatum com 7 meses ele já vai para os coletivos.

      Excluir
  12. Boa noite Eng Agr Andrew!
    Maravilhoso seu blog! Parabéns!!! Estou encantada!
    E... preciso da sua ajuda... como faço para tirar as mudinhas de dentro de flask de vidro (tipo vidro de azeite de oliva).
    Antecipadamente agradeço tua ajuda.
    Abraço, Carmen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carmen! Obrigado pela visita!
      O procedimento para retirada é como está escrito nesta postagem a cima. Basta retirar com cuidado e depois fazer uma lavagem em água corrente para remover o resto de meio de cultura das raízes e assim suceder com o plantio no coletivo, ou na bandeja, conforme descrito na postagem, podendo usar sfagnum puro ou misturado com outro substrato.
      Bom, espero ter ajudado, mas tendo outras dúvidas é só entrar em contato. Forte abraço e até a próxima!

      Excluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Como posso conversar diretamente com vc ,desejo adquirir mudinhas voce pode me enviar seu contato com whatzap o meu é 99511_2054(teresinha)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Teresinha! Meu whatsapp é 21 976201063. Andrew Fogtman

      Excluir